Botupharma PET

Informativo Técnico

Uso de inibidores de COX-2 em oncologia veterinária

IMAGEM1 (1)

Introdução

 

As cicloxigenases (COX) são enzimas responsáveis pela cicloxigenação e peroxidação do ácido araquidônico presente na membrana celular, levando a formação de prostaglandinas. A COX, enzima chave que catalisa a biossíntese das prostaglandinas, tem duas isoformas principais, a cicloxigenase-1 (COX-1) e cicloxigenase-2 (COX-2). As duas isoformas são formadas por uma estrutura protéica primária similar, sendo a COX-1 expressa constitutivamente e a COX-2 induzida principalmente em processos inflamatórios e neoplásicos.  

 

Diversos estudos realizados correlacionam o desenvolvimento e progressão de alguns tipos de neoplasias em humanos e animais à presença da COX-2 e a partir destas observações foram sugeridos os benefícios do uso de inibidores de COX-2 na terapia antineoplásica. Pacientes que faziam uso de anti-inflamatórios não esteroidais para alívio da dor devido a tumores gastrointestinais, apresentavam regressão do tumor. Outros estudos mostraram redução de 40 a 50% do risco de desenvolvimento de câncer de cólon e reto em pessoas que usavam regularmente anti-inflamatórios não esteroidais.

 

MECANISMOS ENVOLVIDOS NA EXPRESSÃO DE COX-2 E CÂNCER

 

Vários mecanismos foram propostos na tentativa de explicar a relação entre a expressão de COX-2 e consequentemente a superprodução de prostaglandinas pelas células neoplásicas. Dentre estes mecanismos, são citados a inibição da apoptose, a indução de angiogênese, o estímulo à proliferação celular, o aumento na capacidade de invasão tumoral (favorecendo os mecanismos de metástase) e a supressão do sistema imune.

esquema_figura1_Prancheta 1

 

Figura 1 – Mecanismos relacionados a produção de prostaglandinas e o desenvolvimento neoplástico

Sendo assim, a diminuição da apoptose devido à expressão de COX-2 nas células neoplásicas, aumenta a sobrevida das células e consequentemente favorece o acúmulo de mutações genéticas sucessivas, contribuindo para a progressão do tumor. Além disso, a superexpressão de COX-2 está relacionada ao aumento na expressão de fatores de crescimento vascular, favorecendo a angiogênese que é considerado um mecanismo fundamental para o desenvolvimento neoplásico e a formação de metástase.  A COX-2 favorece também a perda da adesão celular ao tecido de origem permitindo a mobilidade e invasão em outros tecidos. Pesquisas demonstraram que o aumento na expressão de COX-2 está relacionado ao aumento na atividade de determinadas proteínas, como as metaloproteinases, enzimas responsáveis pela digestão do colágeno na matriz intercelular, permitindo o rompimento das barreiras e invasão tecidual.

 

A alta expressão de COX-2, e a consequente produção de prostaglandinas, está associada a diminuição da resposta imune em neoplasias. Atualmente, um dos focos de pesquisa oncológica é a participação das células T reguladoras (Treg) no desenvolvimento tumoral, uma vez que estas células modulam negativamente a resposta antitumoral do organismo frente às neoplasias.

 

EXPRESSÃO DE COX 2 COMO FATOR PROGNÓSTICO E PREDITIVO

 

Em oncologia há uma busca constante de fatores prognósticos e preditivos que possam auxiliar na escolha de terapias e na previsão do comportamento das neoplasias. Sendo assim é definido como fator prognóstico qualquer característica do paciente ou do tumor que pode ser usado para prever a evolução da doença. A alta expressão de COX-2 avaliada principalmente por imunoistoquímica tem sido relacionada a tumores de comportamento agressivo conforme vários estudos publicados com neoplasias em cães e gatos. Atualmente a avaliação de COX-2 faz parte dos painéis imunoistoquímicos prognósticos na medicina veterinária em alguns tumores como neoplasias mamárias e melanomas.

 

Além da importância como fator prognóstico, a expressão de COX-2 pode ser utilizada como fator preditivo que por definição seriam as características que distinguem os pacientes que responderão a determinada terapia, a exemplo do que ocorre com a resposta aos AINES em neoplasias com alta expressão de COX-2. A seguir vamos discutir a importância da avaliação de COX-2 como fator prognóstico e preditivo em vários tumores comuns na rotina oncológica de cães e gatos.

USO DE INIBIDORES DE COX-2 NO TRATAMENTO ONCOLÓGICO

 

Estudos in vivo em humanos e cães com vários tipos de tumores, incluindo o carcinoma de células de transição de bexiga, carcinoma prostático, carcinoma de células escamosas, carcinomas mamários, carcinomas nasais e melanoma oral mostram benefícios com o uso de inibidores de COX-2 conforme tabela 1.

 

Carcinoma de células de transição de bexiga

 

Os carcinomas de células de transição também denominados carcinomas uroteliais são considerados os principais tumores de bexiga em cães e normalmente se originam no trígono vesical, tornando a remoção cirúrgica um desafio clínico muitas vezes associado a taxas altas de complicações. Por isso a busca de terapias paliativas que controlem o crescimento do tumor e melhorem os sinais clínicos relacionados à doença são objetivos comuns no tratamento de carcinomas de bexiga.

 

Atualmente os carcinomas uroteliais são considerados os principais modelos de estudo da expressão de COX-2 em câncer na medicina veterinária devido à alta expressão desse marcador e dos benefícios já comprovados do uso de AINES no tratamento dessa neoplasia.

 

Mohammed et al. 2002,  avaliaram os efeitos dos inibidores de COX-2 na apoptose e angiogênese em cães com carcinoma de células de transição de bexiga. Dos 18 cães com tumor que receberam inibidor de COX-2, nenhum obteve remissão completa, porém 33% obtiveram remissão parcial (decréscimo em 50% do tamanho do tumor e ausência de novas lesões), 50% mantiveram a doença estável (alteração menor que 50% no volume tumoral e ausência de novas lesões) e apenas 17% apresentaram progressão da lesão (aumento de 50% no volume tumoral ou aparecimento de novas lesões).

 

Knapp et al. (25) avaliaram a eficácia da combinação entre cisplatina e firocoxibe em cães com o mesmo tipo de tumor de bexiga, comparando com o uso da cisplatina isolada. A taxa de remissão do grupo de cães que utilizou a combinação dos fármacos foi de 57%, enquanto que os pacientes que fizeram uso da cisplatina de forma isolada obtiveram uma taxa de resposta de apenas 13%. Os autores ainda salientam que os animais que fizeram uso do firocoxibe de forma isolada apresentaram remissão parcial ou doença estável em 20 e 33% dos casos, respectivamente. Os resultados deste trabalham demostram a eficácia do uso do firocoxibe no tratamento do carcinoma de células de transição de bexiga em cães associado a quimioterapia, ou de forma isolada durante o tratamento paliativo.

 

Carcinoma de próstata

 

Os carcinomas prostáticos em cães são menos comuns quando comparados a seres humanos, porém devido à evolução silenciosa e rápida normalmente são diagnosticados em estágios avançados, com presença de metástase no momento do diagnóstico, tornando a busca por terapias paliativas que controlem o crescimento do tumor o foco do tratamento. Sorenmo et al. (2004) avaliaram a expressão de COX-2 em carcinomas prostáticos caninos e observaram que 88,2% dos casos apresentavam expressão e que os cães que fizeram uso de AINE tiveram aumento de sobrevida em relação ao grupo não tratado (6,9 meses e 0,9 meses respectivamente) demonstrando mais uma vez o benefício dessa modalidade terapêutica no tratamento oncológico.

 

Carcinomas nasais

 

Os carcinomas nasais correspondem a dois terços das neoplasias de seios nasais em cães e apresentam comportamento invasivo e atualmente são tratados com radioterapia como modalidade padrão.

IMAGEM3 (1)

Figura 2 – Cão, Labrador, F com deformidade facial secundária a carcinoma nasal.

Um estudo verificou a associação de radioterapia com firocoxibe em relação ao uso de radioterapia com placebo em 24 cães com carcinomas nasais. O tempo livre de doença e sobrevida do grupo tratado com firocoxibe foi de 228 e 335 dias respectivamente enquanto que o grupo que recebeu apenas radioterapia, essas variáveis foram de 234 e 244 dias respectivamente. Apesar de não haver diferença estatística significativa entre os dois grupos, os cães que receberam AINE tiveram aumento na qualidade de vida, segundo questionário respondido pelos tutores, com melhora do apetite e atividade física dos animais, confirmando o benefício clínico do uso de firocoxibe para esses pacientes, uma vez que para tumores inoperáveis como no caso de carcinomas de seios nasais, a manutenção da qualidade de vida dos pacientes é a meta principal durante o tratamento paliativo.

 

Carcinomas mamários

 

As neoplasias mamárias em cadelas e gatas são extremamente comuns na rotina oncológica, sendo os carcinomas mamários o grupo mais frequente entre as neoplasias malignas. A remoção cirúrgica é o tratamento de escolha, porém pacientes com subtipos histológicos agressivos, estadiamento clínico avançado ou alto grau histológico podem se beneficiar do tratamento sistêmico adjuvante com quimioterapia e/ou inibidores de COX-2. Diversos estudos correlacionaram a imunomarcação de COX-2 em carcinomas mamários com agressividade tumoral e menor sobrevida das pacientes, tornando um importante fator prognóstico nesses casos, além de ser um fator preditivo, pois animais com alta expressão de COX-2 no exame de imunoistoquímica são candidatos à terapia com AINE.

 

Lavalle et al. (2012) avaliaram o uso de quimioterapia associada ou não a AINE em pacientes submetidas a mastectomia para tratamento de carcinomas mamários agressivos em comparação a pacientes que foram submetidas apenas a modalidade cirúrgica e observaram aumento de sobrevida nas cadelas que fizeram o uso de tratamento sistêmico. Outro resultado importante desse estudo, é que não foram relatados efeitos adversos graves com o uso prolongado de firocoxibe, demonstrando a segurança desse fármaco para regimes prolongados de administração.

 

Além do uso dos AINES pós mastectomia em carcinomas mamários agressivos,  alguns autores avaliaram a expressão de COX-2 e a resposta a terapia com inibidores de COX-2 em carcinomas inflamatórios mamários de cadelas, que é considerada uma apresentação clínica de carcinomas mamários com invasão linfática dos vasos da derme, caracterizada por dor, edema de membros, alto potencial de metástase em que devido ao quadro avançado, as pacientes não são candidatas a remoção cirúrgica, tornando o tratamento paliativo a opção mais indicada na maioria dos casos.

IMAGEM4 (1)

Figura 3 – Cão, F, SRD, com lesão eritematosa, em placa, com áreas de ulceração e edema local com laudo histopatológico de carcinoma micropapilar com invasão linfática dos vasos de derme, sugerindo um carcinoma inflamatório.

Todos os carcinomas inflamatórios tiveram alta expressão de COX-2 e o uso de AINE melhorou a qualidade de vida dos pacientes e manteve a doença estável por um período superior aos protocolos quimioterápicos.

Carcinomas espinocelulares

 

Carcinomas espinocelulares (CEC) em cães apresentam prognósticos distintos de acordo com a localização anatômica dos mesmos, sendo os cutâneos relacionados à alta invasão local, porém baixa taxa de metástase, enquanto que nos CEC orais, os tonsilares, apresentam maiores taxas de metástase quando comparados a CEC em outras localizações da cavidade oral.

IMAGEM5 (1)

Figura 4 – Cão, Pitbull, F com lesões eritematosas secundárias a dermatite actínica e áreas de carcinoma espinocelular cutâneo.

Os CEC cutâneos têm alta correlação com exposição solar e alguns estudos sugerem que já nas lesões pré -neoplásicas como dermatites actínicas há expressão de COX-2, tornando possível a hipótese do benefício do uso de AINES nesses pacientes. Albanese et al.  (2013) demonstraram que 4/5 cães com dermatite actínica tratados com firocoxibe durante 6 meses apresentaram melhora clínica significativa, além de alterações no exame histopatológico antes e após o início da terapia, sugerindo que a COX-2 é necessária para a síntese de prostaglandinas que estimulam a proliferação de queratinócitos e que o uso de firocoxibe pode ter um efeito antiproliferativo benéfico nessas situações.

 

Em relação aos CEC de cavidade oral, Schmidt et al. 2001 (26) avaliaram o uso de AINE em carcinomas de células escamosas de cavidade oral em cães o observaram que as taxas de resposta são similares aquelas utilizando drogas citotóxicas, sugerindo desta forma a eficácia dos inibidores de COX-2 no tratamento desta neoplasia.

IMAGEM6 (1)

Figura 5 – Cão, F, Pug, 11 anos com lesão ulcerada em região rostral de mandíbula com laudo histopatológico de carcinoma espinocelular.

Melanoma

 

Os melanomas em cães possuem prognóstico dependente da localização sendo que os cutâneos apresentam menores taxas de metástase e, portanto prognósticos mais favoráveis em relação aos orais. Em um estudo avaliando a expressão de COX-2 em tumores melanocíticos foi observado que todos os melanomas orais apresentaram positividade alta e intensa no exame de imunoistoquimica, sugerindo que a inibição de COX-2 pode ser benéfica nesses pacientes.

 

Embora ainda não existam estudos em larga escala sobre o assunto, pesquisas in vitro demonstraram redução na proliferação e aumento da apoptose de linhagens de células de melanoma tratadas com AINE, sugerindo potencial benefício dessa terapia no tratamento de melanomas.

 

NEOPLASIA
RESULTADOS
AUTORES

Carcinoma de bexiga

Firocoxibe associado a quimioterapia resultou
em taxa de remissão de 57%. Firocoxibe de
forma isolada apresentarou remissão parcial ou
doença estável em 20 e 33% dos casos, respectivamente.

Knapp et al. 2013

Carcinoma prostático

Cães que fizeram uso de AINE tiveram aumento
de sobrevida significativamente maior em
relação ao grupo não tratado (6,9 meses x 0,9
meses)

Sorenmo et al. 2004

Carcinoma nasal

O tempo livre de doença e sobrevida do grupo
tratado com radioterapia associado ao firocoxibe
foi de 228 e 335 dias respectivamente enquanto
que o grupo que recebeu apenas radioterapia,
essas variáveis foram de 234 e 244 dias respectivamente. Apesar de não haver diferença estatística significativa entre os dois grupos, os cães
que receberam AINE tiveram aumento na
qualidade de vida, segundo questionário respondido pelos tutores

Cancedda et al. 2015

Carcinomas mamários

Pacientes submetidos a quimioterapia associada
ou não a AINE pós mastectomia para carcinomas
mamários agressivos apresentaram aumento de
sobrevida em comparação a cirurgia isolada

Lavalle et al. 2012

Carcinomas mamários
inflamatórios

Todos os carcinomas inflamatórios tiveram alta
expressão de COX-2 e o uso de AINE melhorou a
qualidade de vida dos pacientes e manteve a
doença estável por um período superior aos
protocolos quimioterápicos

Souza et al. 2009

Carcinoma espinocelular oral

Pacientes que fizeram o uso de AINE tiveram
taxas de resposta similares aquelas utilizando
drogas citotóxicas

Schmidt et al. 2001

Dermatite actínica e
carcinomas espinocelulares
cutâneos

4/5 cães com dermatite actínica tratados com
firocoxibe durante 6 meses apresentaram
melhora clínica significativa, além de alterações
no exame histopatológico antes e após o início da
terapia

Albanese et al. 2005

Melanomas

Pesquisas in vitro demonstraram redução na
proliferação e aumento da apoptose de linhagens
de células de melanoma tratadas com AINE,
sugerindo potencial benefício dessa terapia no
tratamento de melanomas.

Seo et al. 2014

Tabela 1 – Uso de AINES no tratamento de neoplasias em cães

 

USO DE ANTIINFLAMATÓRIOS NO CONTROLE DA DOR EM PACIENTES ONCOLÓGICOS

 

Além do uso direcionado para o controle do crescimento de certos tipos de neoplasia que expressam COX-2, os AINEs podem ser aliados para o controle de dor em certas situações na oncologia veterinária. A inibição de COX-2 bloqueia a formação de prostaglandinas que apresentam função de sensibilizar nociceptores periféricos terminais que produzem dor localizada e hipersensibilidade. Além da percepção de dor periférica, a COX-2 media a formação de prostaglandinas envolvidas na dor central, sendo que o uso de AINEs pode ser um importante auxiliar no controle de dor nessas situações.

 

Casos oncológicos que apresentam nível de dor elevado como, por exemplo, quadros que envolvem lise óssea como osteossarcomas ou outros tumores com invasão óssea secundária como carcinomas com metástase óssea, tumores nasais com destruição óssea secundária, neoplasias orais com infiltrado ósseo ou neoplasias com infiltrados inflamatórios extensos, que sabidamente apresentam nível elevado de dor, podem se beneficiar do uso de AINES como o firocoxibe.

 

Outra aplicação do uso dos inibidores de COX-2 refere-se a dor pós-operatória em cirurgias oncológicas como, por exemplo, mastectomias, cirurgias cutâneas reconstrutivas, cirurgias ortopédicas oncológicas, cirurgias abdominais ou torácicas para remoção de neoplasias.

 

MONITORAMENTO DE EFEITOS ADVERSOS DURANTE O USO DOS INIBIDORES DE COX-2

 

Pacientes oncológicos que fazem uso de AINE seja direcionado contra o crescimento tumoral ou no auxilio ao controle de dor apresentam como característica principal a necessidade do uso crônico desses fármacos, portanto a escolha do tipo de inibidor de COX-2 deve ser pautada em fármacos que sejam seguros em longo prazo.

 

O firocoxibe é uma opção que atende esses critérios, pois estudos em cães saudáveis submetidos à terapia com firocoxibe oral por 30 dias nas doses convencionais não demonstraram alterações em variáveis do hemograma, exame bioquímico, avaliação de sangue oculto nas fezes ou alteração endoscópica sugerindo que esse fármaco é seguro para uso crônico em cães, desde que respeitado os critérios de seleção dos pacientes.

 

Apesar do firocoxibe ser um fármaco seguro para uso crônico, o monitoramento de efeitos adversos principalmente gastrointestinais e renais deve ser obrigatório nesses pacientes com o intuito de prevenir ou manejar possíveis alterações decorrentes da terapia. Portanto é obrigatório que animais submetidos à terapia com AINE sejam avaliados antes de iniciar o tratamento, através de história clínica, exame físico e exames hematológicos de hemograma, função hepática, função renal, urinálise e que esses mesmos exames sejam realizados periodicamente durante a terapia a fim de monitorar possíveis alterações decorrentes do uso da terapia. Além disso, os tutores devem ser orientados a monitorar e reportar efeitos adversos como êmese, diarreia, hiporexia/anorexia e interromper a administração e contatar o médico veterinário responsável pelo caso nessas situações. Outro ponto importante a ser considerado é evitar o uso em pacientes desidratados, com doenças renais ou hepáticas prévias, ou em animais que fazem uso de diuréticos ou corticoides que podem agravar de forma substancial os efeitos adversos oriundos dessa terapia.

Considerações finais

A relação da expressão de COX-2 com a carcinogênese está bem descrita em diversas neoplasias tanto em humanos como em animais. O uso de inibidores de COX-2 como o firocoxibe, no tratamento de tumores que expressam a COX-2 demonstraram resultados promissores enfatizando uma modalidade terapêutica adjuvante.

Referência Bibliográfica

 

  1. ANDRADE SF. Antiinflamatórios. In: Manual de terapêutica veterinária. São Paulo: Roca, 2002. p 89-113.
  2. GROOT DJA, VRIES EGE, GROEN HJM, JONG S. Non-steroidal anti-inflammatory drugs to potentiate chemotheraphy effects: from lab to clinic. Oncol Hematol. 2007; 61: 52-69
  3. HAYES A. Cancer, cyclo-oxygenase and nonsteroidal anti-inflammatory dugs – can we combine all three?. Vet Comp Oncol. 2007; 5: 1-13
  4. DEWITT DL, SMITH WL – Primary structure of prostaglandin G/H synthase from sheep vesicular gland determined from the complementary DNA sequence. Proc Natl Acad Sci, 1988;85: 1412-1416
  5.  KULKARNI SK, JAIN NK, SINGH A – Cyclooxygenase isoenzymes and newer therapeutic potential for selective COX-2 inhibitors. Methods Find Exp Clin Pharmacol, 2000;22:291-298.
  1. MOHAMMED SI, KHAN KNM, SELLERS RS, HAYEC MG, De NICOLA DB, WU L, BONNEY PL, KNAPP DW. Expression of cyclooxygenase-1 and 2 in naturally occurring canine cancer. Prostaglandins, leukotrienes and essential fatty acid. 2004; 70: 479-483
  2. DHAWAN D, JEFREYS AB, ZHENG R, STEWART JC, KNAPP DW. Cyclooxygenase-2 dependent and independent antitumor effects induced by celecoxib in urinary bladder cancer cells. Mol cancer ther. 2008; 7: 897-904
  3. KANAOKA S, TAKAI T, YOSHIDA K. Cyclooxygenase-2 and tumor biology. Advances in Clin Chem. 2007; 43: p-59-78
  4. MORRISOM WB. Non-cytotoxic drugs in cancer treatment. In: Proceeding of North American Veterinary Conference; 2007. Ithaca. NAVC; 2007.
  5. LLORET A. The use of cox-2 drugs in oncology: clinical case. In: Proceeding of Southern European Veterinary Conference; 2008. Barcelona. Avepa 2008.
  6. GROSCH S, MAIER TJ, SCHIFFMANN S, GEISSLINGER G. Cyclooxygenase-2 (COX-2) – Independent anticarcinogenic effects of selective COX-2 Inhibitor. J Nat Cancer Inst. 2006; 98:736-747
  7. SHYONG D, CHEN IH, CHANG SY. The expression of cyclooxygenase in transitional cell carcinoma cell lines: its correlation with tumor differentiation, invasiveness and prostanoids production. Eur Urol. 2003; 44:491-494.
  8. HELLER DA, CLIFFORD CA, GOLDSCHIMIDT MH, HOLT DE, MANFREDI MJ, SORENO KU. Assessment of cyclooxygenase -2 expression in canine hemangiosarcoma, histiocytic sarcoma e mast cell tumor. Vet Path. 2005; 42:350-353
  9. YUAN XL , CHEN L, LI MX,  DONG P, XUE P,  WANG J,  ZHANG Y,  WANG A,  FENG-MIN ZHANG FM, GE HL,   XU D,. Elevated expression of Foxp3 in tumor-infiltrating Treg cells suppresses T-cell proliferation and contributes to gastric cancer progression in a COX-2-dependent manner. Cli Imm. 2010; 134: 277–288
  10. KNAPP DW, GLICKMAN WR, DeNICOLA DB, BONNEY PL, TSANG BS, LAWRENCE T, GLICKMAN L. T. Naturally-occurring canine transitional cell carcinoma of urinary bladder: a revelant model of human invasive bladder cancer. Urol oncol. 2000a; 5:47-59
  11. KNAPP DW, GLICKMAN NW, WIDMER WR, DeNICOLA DB, ADAMS LG, KUCZEC T. et al.. Cisplatin versus cisplatin combined with piroxican in a canine model of human ivasive urinary bladder cancer. Cancer Chemother and Pharmacol. 2000b; 46:221-226
  12. MOHAMMED SI, BENNETT PF, CRAIG BA, GLICKMAN NW, MUTSAER AJ, SNYDER PW.et al. Effects of the Cyclooxygenase inhibitor, Piroxican, on tumor response, apoptosis, and angiogenesis in a canine model of human invasive urinary bladder cancer. Cancer Research. 2002; 62: 356-358
  13. BORIA PA, GLICKMAN NW, SCHIMIDT BR, WIDMER WR, MUTSAERS AJ, ADAMS LG et al.. Carboplatin and piroxicam therapy in 31 dogs with transitional cell carcinoma of the urinary bladder. Vet Comp Oncol. 2005; 3:.73-80
  14. LEE JY, TANABE S, SHIMORIHA H, KOBAYASHI Y, OOMACHI T, AZUMA S. et al. Expression of cyclooxygenase -2, P-glycoprotein and multi-drug resistance associated protein in canine transitional cell carcinoma. Res Vet Sci. 2007; 83: 210-216
  15. HENRY CJ. Transitional cell carcinoma. In: Proceeding of the World Small Animal Veterinary Association Sydney.2007, Australia, Asava, 2007
  16. DHAWAN D, CRAIG BA, CHENG L, SNYDER PW, MOHAMMED SI, STEWART JC.et al. Effects of short-term Celecoxib treatment in patients with invasive transitional cell carcinoma of the urinary bladder. Mol cancer ther. 2010; 9:371-1377
  17. KNAPP DW, RICHARDSON RC, CHAN TC, BOTTOMS GD, WIDMER WR, DeNICOLA DB. et al..; Piroxicam therapy in 34 dogs with transitional cell carcinoma of the urinary bladder. J Vet Inter Med. 1994; 8: 273-278.
  18. MOHSENI H, ZASLAU S, McFADDEN D, RIGGS DR, JACKSON BJ, KANDZARI S. COX-2 inhibiton demonstrates potent anti-proliferative effects on bladder cancer In vitro. J Surg research. 2004; 119:138-142
  19. HENRY CJ, McCAW DL, TURNQUIST SE, TYLER JW, BRAVO L, SHEAFOR S, et al. Clinical evaluation of mitoxantrone and piroxican in a canine model of human invasive urinary bladder carcinoma. Clin Cancer Research. 2003; 9:906-911
  20. KNAPP DW, HENRY C.J, WIDMER WR, TAN, KM, MOORE, GE, RAMOS-VARA J.A, GREENBERG, CB, GREENE, SN, ABBO, AH, HANSON, PD, ALVA, R, BONNEY, PL. Randomized Trial of Cisplatin versus Firocoxib versus Cisplatin/Firocoxib in Dogs with Transitional Cell Carcinoma of the Urinary Bladder. J Vet Int Med; 2013: 27: 126-133
  21. SCHMIDT BR, GLICKMAN NW, DENICOLA DB, GORTARI AE, KNAPP DW. Evaluation of piroxicam for the treatment of oral squamous cell carcinoma in dogs.  J Am Vet Med Assoc. 2001; 218: 1783-1786
  22. SOUZA CHM, TOLEDO-PIZA, E,  AMORIN, RL ; DE NARDI, AB. ; TOBIAS, KM. . Inflammatory mammary carcinoma in 12 dogs: Clinical features, cyclooxygenase-2 expression, and response to piroxicam treatment. Can Vet J, 2009; 50: 506-510.
  1. SORENMO, K.U., GOLDSCHMIDT, M.H., SHOFER, F.S., GOLDKAMP, C. AND FERRACONE, J. Evaluation of cyclooxygenase-1 and cyclooxygenase-2 expression and the effect of cyclooxygenase inhibitors in canine prostatic carcinoma. Veterinary and Comparative Oncology, 2004; 2: 13-23.
  2. CANCEDDA, S., SABATTINI, S., BETTINI, G., LEONE, V.F., LAGANGA, P., ROSSI, F., TERRAGNI, R., GNUDI, G. AND VIGNOLI, M. Combination of radiation therapy and firocoxib for the treatment of canine nasal carcinoma. Vet Radiol Ultrasound, 2015, 56: 335-343.
  3. S. POGGIANI, M. HATAYDE, R. LAUFER-AMORIM AND J. WERNER. Expression of Cyclooxygenase-2 and Ki-67 in Actinic Keratosis and Cutaneous Squamous Cell Carcinoma in Dogs,” Open Journal of Veterinary Medicine, 2012, v. 2 N. 2, 2012, pp. 41-47.
  4. SEO KW, COH YR, REBHUN RB, AHN JO, HAN SM, LEE HW, YOUN HY. Antitumor effects of celecoxib in COX-2 expressing and non-expressing canine melanoma cell lines. Res Vet Sci. 2014 Jun;96(3):482-6
  5. ALBANESE, F., ABRAMO, F., CAPORALI, C., VICHI, G. AND MILLANTA, F. Clinical outcome and cyclo-oxygenase-2 expression in five dogs with solar dermatitis/actinic keratosis treated with firocoxib. Vet Dermatol. 2013 24: 606-e14
  6. BERGH, M.S. AND BUDSBERG, S.C. The Coxib NSAIDs: Potential Clinical and Pharmacologic Importance in Veterinary Medicine. Journal of Veterinary Internal Medicine, 2005, 19: 633-643
  7. GLEIDICE EUNICE LAVALLE, CECÍLIA BONOLO DE CAMPOS, ANGÉLICA CAVALHEIRO BERTAGNOLLI, GEOVANNI DANTAS CASSALI. Canine Malignant Mammary Gland Neoplasms with Advanced Clinical Staging Treated with Carboplatin and Cyclooxygenase Inhibitors. In Vivo May 2012, 26 (3) 375-379;
  8. STEAGALL, P.V.M., MANTOVANI, F.B., FERREIRA, T.H., SALCEDO, E.S., MOUTINHO, F.Q. and LUNA, S.P.L. Evaluation of the adverse effects of oral firocoxib in healthy dogs. Journal of Veterinary Pharmacology and Therapeutics, 2007. 30: 218-223

 

AUTOR

 

Dr. Paulo César Jark

 

Médico Veterinário pela Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC

 

Residência em Clínica Médica de Pequenos Animais – UNESP Botucatu

 

Especialização em Oncologia Veterinária pelo Instituto Bioethicus- Botucatu

 

Mestrado e Doutorado em Clínica Médica com enfoque em Oncologia Veterinária pela UNESP Jaboticabal

 

Realizou programa de Doutorado no exterior na University of Madison Wisconsin – EUA

 

Vice presidente da Sociedade Latinoamericana de Oncologia Veterinária- SLOVET

 

Professor colaborador do Programa de Pós-graduação da Unesp Jaboticabal

 

Coordenador da ONCONNECTIONVET e ONCCAREVET

Compartilhe esta matéria!

#botupharmapet #petlovers #cães

Inscreva-se para receber novidades e concorra a um brinde especial todo mês

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.

+ Vistos

Uso de inibidores de COX-2 em oncologia veterinária

Uso de inibidores de COX-2 em oncologia veterinária

As cicloxigenases (COX) são enzimas responsáveis pela cicloxigenação e peroxidação do ácido araquidônico presente na membrana celular, levando a formação de prostaglandinas.

Destaque

Uso de inibidores de COX-2 em oncologia veterinária

Uso de inibidores de COX-2 em oncologia veterinária

As cicloxigenases (COX) são enzimas responsáveis pela cicloxigenação e peroxidação do ácido araquidônico presente na membrana celular, levando a formação de prostaglandinas.

Conheça +

+ Informativos Técnicos